A-TU-AÇÃO

Ator-doado.

Ator-mentado.

Tentar ser

para poder negar.

Tentar ter

por saber faltar.

Tentar crer

para talvez criar.

De onde fala?

Em que sorriso

em qual lágrima

se esconde

se revela?

De que lado

está a ilusão?

Ator-doado

ator-mentado

aqui se olha

ali  se vê.

Quando a cortina

impede o reflexo

a retina cruel

expõe o cenário.

De múltiplo

a solitário.

PENSANDO ENTRE ASPAS

10/08/2008 – “Só a segunda chance é verdadeira”

11/08/2008 – “A única e verdadeira fidelidade é a do espelho”

12/08/2008 –  “A mais forte expressão da aceitação é a denegação”

13/08/2008 – 
O choro agrega, o riso isola”

14/08/2008 – “Busca-se o perfeito – para se dar conta da falta”

15/08/2008 – “A memória guarda o proibido de ser lembrado”

17/08/2008 – “Se cada um escutasse realmente o que fala a individualidade seria mais compreendida  e menos inocentada.”  

18/08/2008 – “Só quem sabe rir de si próprio sabe se levar a sério”

19/08/2008 – “Onde sobram palavras faltam atos”

20/08/2008 – “É impossível criar o que não se sabe sentir”

22/08/2008 – “Quanto mais se tenta ocultar as faltas mais elas se denunciam”

29/08/2008 – “Os obstáculos são inertes, nós é que temos a capacidade de mover”

30/08/2008 – “E preciso estar atento aos caminhos escolhidos, para que os objetivos não se percam”

31/08/2008 – “Nem sempre as palavras estão de acordo com os atos”

01/09/2008 – “O sucesso pessoal começa no momento em que se evolui na delicadeza dos gestos e no refinamento dos atos.”

02/09/2008 – “Uma vez estabelecido um equívoco, não há resposta satisfatória possível”

04/09/2008 –  “Concluir é exceder o pensar e alcançar o agir”

05/09/2008 – “Nada é mais difícil de ser explicado, entendido ou aceito do que a responsabilidade”

08/09/2008 – “O corpo não obedece a ordens. Quando decide se comandar nada mais o impede.”

10/09/2008 – “De compreensão o mundo está cheio. Está vazio é de solução.”

13/09/2008 – “A formulação do convite expõe, com total clareza, o valor e a qualificação do convidado”

16/09/2008 – “É no instante da despedida que o encontro é afetivamente dimensionado”

18/09/2008 – “Não há dor maior do que secar as lágrimas às pressas. Fica-se sem saber o que fazer com o corpo inteiro. Como um contorcionismo. Fica um nó.”

22/08/2008 – “Solidão é assim. Nunca se sabe em que lado está. Ou em que lado a colocamos.
Solidão é talvez.”  

23/09/2008 – “Quando já não há mais a possibilidade do encontro é que se percebe o quanto não foi dito. É de silêncio que se recheiam os discursos.”

24/09/2008 – “Em parte o que diferencia os mais loucos dos menos loucos é a maior ou menor capacidade de seguir uma seqüência de pensamento.”

25/09/2008 – “Muitas pessoas são como uma lagoa: a luz só ilumina a superfície.”

27/09/2008 – “A dor sempre busca seu lado positivo”

28/09/2008 – “Muitas vezes, na busca egóica de aproximar objetivos, fica-se mais distante de si mesmo”

29/09/2008 – “A dor, muitas vezes, se assemelha ao desejo por desconsiderar os limites.”

01/10/2008 – “As tentativas de realização de um projeto expõem a busca incessante por compreensão.”

02/10/2008 – “Por mais atraente e ‘mítico’ que seja o mundo virtual, nada supera a magia dos encontros no mundo real”

05/10/2008 – “Nada mais triste que um canto à boca chiusa. Porém nada mais forte.”

06/10/2008 – “Acordar é um ato. Despertar é uma arte”

07/10/2008 – “Para se conhecer é preciso se reconhecer”

09/10/2008 – “Compreensão é o oposto inútil da interpretação”

13/10/2008 – “Criticar é muito mais fácil que decidir”

14/10/2008 – “Decidir acalma, duvidar esgota”

18/10/2008 – “Nada supera a feliz emoção de um prazer cumprido”

19/10/2008 – “A  mais prazerosa sensação de calor é a que vem da pele da pessoa amada”

23/10/2008 – “É no abraço da noite que a tranquilidade do dia seguinte se avisa possível”

24/10/2008 – “Só acontece alguma coisa quando alguma coisa acontece”

27/10/2008 – “É preciso muita pobreza de espírito para confiar apenas nas generalidades.”

29/10/2008 – “É preciso estar atento ao que se demanda: se opinião ou elogio”

01/11/2008 – “Algumas vezes o falso pode parecer muito mais real que o verdadeiro”

02/11/2008 – “Não importa se temos a certeza das perdas – a certeza não blinda a nossa tristeza para o momento da perda”

04/11/2008 – “Se duvidar, arrisque; se tiver certeza, reflita”

08/11/2008 – “Entre a idéia e o ato vive-se a experiência máxima da solidão”

12/11/2008 – “A entonação denuncia o que a fala tenta esconder.”

13/11/2008 – “O sedutor sempre corre o risco de acreditar na contra proposta do próprio jogo.”

19/11/2008 – “Quem fala o desnecessário pode escutar o indevido.”

24/11/2008 – “Na falta, tudo o que vem preenche. Seja o que for. Por isso falta sempre trás mais falta.”

27/11/2008 – “Quando se privilegia apenas o numérico, perde-se o significado da dimensão. Dimensionar é bem diferente de quantificar.”

29/11/2008 – “Entre as propostas e os projetos oculta-se sempre a realidade.”

02/12/2008 – “As pessoas só escutam o que estão preparadas para escutar.”

04/12/2008 – “Talvez seja mais sábio optar por: quando não se pode com o inimigo foge-se dele!”

10/12/2008 – “Muitas vezes o som vem antes da luz”

15/12/2008 – “Sonhar é enxergar, sem duvidar, a realidade que está logo à frente”

22/12/2008 – “É preciso manter uma certa ingenuidade de espírito para que a maturidade tenha seu colorido bem definido.”

27/12/2008 –  “A criatividade se faz possível entre a temeridade e a ansiedade.”

04/01/2009 –  “Rotina é tudo o que escapa ao controle.”

05/01/2008 – “A delicadeza faz parte de um sutil gesto muito mais que de um eloquente discurso. Delicadeza é ser e não – estar.”

07/01/2009 – “Nada mais triste e solitário do que o olhar de quem se sente verdadeiramente injustiçado.”

10/01/2009 –  “Para muitos,o Poder não está na sensação de comandar a própria vida, e sim, na certeza de comandar a vida do outro.”

19/01/2009 – “É preciso primeiro aceitar, para depois reivindicar.”

26/01/2009 – “Poucas sensações são melhores do que a de poder passear – com intimidade – dentro do próprio idioma.”

31/01/2009 – “Ocasionalmente uma mudança de opinião aliada à uma falha na comunicação pode ser interpretada como uma traição.”

06/02/2009 – “O seguro elogia o que acredita que tem valor para ser elogiado. O inseguro bajula porque não confia na própria capacidade de avaliação.”

12/02/2009 – “Importa muito mais como o dia acaba do que como ele começa.”

28/02/2009 – “Só depois de recordar, falar e escutar o que se falou do recordado que uma simbolização e um luto podem se processar.”

07/03/2009 – “É pela incerteza do cotidiano que um surpreender se faz”

15/03/2009 – “Não existe perda suportada porque não existe suporte para perda. Uma perda precisa ser, talvez, introjetada – para que uma simbolização fique possibilitada.”

16/03/2009 – “O mesmo que nos fortalece – nos fragiliza. E o contrário também é verdadeiro.”

25/03/2009 – “Parece ser sempre mais fácil criticar a responsabilidade que admitir a irresponsabilidade.”

13/04/2009 – ” A dor mais forte é a dor silenciada”

05/05/2009 – “A saudade é a comprovação de que um prazer existiu.”

23/05/2009 – “Muitas vezes – por mais estranho que possa parecer – o ciúme é um parceiro da confiança.”

09/06/2009 – “É sempre melhor primeiro abrir os olhos – para depois tentar entender a cegueira.”

10/07/2009 – “A invisibilidade é como uma magia: falta nos olhos de quem vê e sobra nos olhos de quem não vê.”

26/09/2009 – “É no silêncio de um olhar que um texto – tantas vezes – é construído.”

04/10/2009 – “Não há tristeza maior do que escutar palavras a compor injustiças.”

08/10/2009 – “Muitas vezes só diante do primeiro chorinho é que se compreende toda a emoção contida na razão de viver”

23/10/2009 – “Muitas vezes o alter ego fica tão alheio que até foge do espelho”

25/10/2009 – “Quando quem escreve se concentra – entra num mundo especial. Nada poderá lhe ferir nem ninguém poderá lhe machucar. É um universo restrito ao próprio comando e vontade. Assim se defende diante de tanta emoção que muito mais assusta do que inspira.”

12/12/2009 – “Maturidade – também – é  viver a Vida sem temer o farsa de conta.”

17/01/2010 – “Muito mais triste do que o aparecimento da lágrima é o desaparecimento do riso”

05/06/2010 – “A percepção da contradição entre a expectativa de um e a intenção do outro pode ser o que habitualmente se traduz como decepção”

17/07/2010 – “A solução cabe – sempre – dentro da visão”.

11/10/2010 – “Não é a fala que denuncia, mas o ato. Cada um é o que age – e não o que diz.”



 


CO-MEDIDA

Caminhos seguidos.
Atalhos buscados.
Tempo corrido.
Espaço contido

Atalhos seguidos
Tempo contido.
Espaço corrido.
Caminhos buscados.

Tempo buscado
Espaço seguido
Caminhos corridos
Atalhos contidos

Espaço buscado
Caminhos contidos
Atalhos corridos.
Tempo seguido.

Assim se vai
A meia-vida.

Disfarce

canções
poemas
zumbidos
emoções.

encontros
promessas
desertos
risos.

tentei
neguei
chorei
obedeci.

Na sede de ser
fiz parecer.

Nome-ação

E de repente eu tinha um nome.
Respondo,
me conheço, reconheço.
No início me espantei
será a mim que gritam?
É a mim que clamam?
Como sabiam que eu seria essa?
Combinaria comigo?
Fosse eu Vitória
teria sido outra a minha história?
E Ana,
teria vivido a fama?
Ou, quem sabe, Cacilda,
teria sido acolhida?
Nem Vitória, Ana, Cacilda…
A mim deram um nome
por quem alguém se disfarçou,
arriscou.
Ilusão.
Escolha errada.
Vivo na solidão.

Acaso

Nasci de frente pro mar
sigo as marés
altos baixos
perigo risco
barulho viração
eterno movimento
sem esperar
procuro alcançar
como as ondas
a areia
construo destruo
altero renovo
anuncio denuncio exponho.
Quem sabe
tivesse eu nascido
de frente pro lago
seria calma serena
silenciosa
a esperar alguém afoito
uma pedrinha jogar
para me mover
em círculos lentos
até suavemente sumirem
e voltar a ser parada
cercada imóvel
plana
espelho
só refletir o que está fora
esconder o que está dentro.

FANTASMA

eu escrevia
ele fugia
eu falava
ele calava
eu demandava
ele negava
eu entregava
ele recusava.

Obedeci.

Me recolhi.
Parti.

Se notou
se chorou
não vi.

MEMÓRIA

Quando o amanhã chegar
que restará
das mãos na pele
do calor no corpo
do cheiro, dos códigos
das falas, dos olhares,
dos risos, dos sonhos?
Quando o amanhã chegar
que pensamento
deste agora restará?
Do que se lembrará
quando o amanhã chegar?

AUSÊNCIA

De costas
escuta
riso
sem som
choro
sem olhos.
De costas
sente
toque
sem pele
cheiro
sem carne.
De costas
adivinha
toque sem carne
riso sem olhos
cheiro sem pele
choro sem som.
De costas
fantasia
toque
riso
cheiro.

Chora.
A música invade.
Real.