…y tudo a media luz…

A
noite era de festejo. Parceria comemorando a individualidade. Uma noite em que
o início seria celebrado. Mais ou menos assim. Ele estava feliz.

A
noite estava clara. Quente. Carros passavam acelerados pelas largas avenidas. A
música se integrava a cada esboço de aglomeração.

A
escolha fora dele. Deste especial espaço. Optava por conhecer os hábitos nativos.
A rotina dos habitantes. Não a rotina de quem chega. Não as apresentações
programadas. Sempre foi o estilo dele. Descobrir o natural. Ver os bastidores. Para
entender as veracidades. E até as falsidades.

Enfim.
Lá chegamos.

Chegamos
cedo. Mais cedo que o habitual do lugar. Ainda bem. O ambiente justificava este
propósito.  Ser antecipadamente pontual.

Da
entrada já se compreendia.  Era quase um
santuário. Era um Lugar especial. Aconchegava noites. E fazia de todas – noites
especiais. Uma beleza.

O
cenário era maravilhoso.

No acesso principal se destacava uma cristaleira. Colocada suavemente a um canto lateral. Qual um símbolo. Enorme. Com taças ordenadas nas prateleiras. Os cristais
lindamente trabalhados. Talvez o fruto da visita de algum deus à Terra. Mãos divinas
ali deveriam ter tocado. Mesmo que – possivelmente – disfarçadas.

Um
longo salão. Longitudinal – escutei este comentário. Não vi quem falara.  Certamente alguém desavisado. Nada entendia de
medidas. Só de exatidões.

Longas
e envernizadas colunas de madeira escura contornavam o espaço.  Fingiam delimitar ou amparar as laterais do
teto. Ou mais ainda.  Demonstravam a
longa distância. E a diferença entre chão e teto. E as infinitas possibilidades
de sonhos que esta distância abriga. Perfeito.

O
piso era em mármore. Branco. Menos branco do que deve ter sido um dia. E talvez
menos plano. Mas bem cuidado. Nem um risquinho inadequado emoldurava esta tela.
Sim. O piso era uma tela. Foi o que pensei um minuto depois.

As
mesas serviam de moldura. Alinhadas em volta do salão. Eram de madeira escura. Espaldar
mediano. Assento acolchoado de veludo verde. Tudo disposto de uma forma
delicadamente estética. A cada um era permitida visão sem restrição.

As
pessoas foram chegando. Pessoas comuns. Sem brasões. Sem vestuário griffado. Sem
grandes belezas midiáticas. Sentavam. Elegantes. Apenas a postura denunciava
uma sutil superioridade. Muito mais interior que exterior. Não dava para
entender muito bem. Sou terrena demais. Conclui.

A
intimidade com o local não abrandava a formalidade. Mas também não impedia o prazer
associado.

Percebi
que homens e mulheres seguravam sacolinhas. Continham os sapatos. Extras. Especiais.
Funcionais. De cada um.

Quando
trocavam os sapatos – uma surpresa. Deixavam de ser cada um. Se transformavam
em pares. Belos. Belos pares. E longe de serem pessoas comuns. Transformavam-se
em Pessoas. Suficiente.

Iam
ao salão e dançavam.

Trançavam
pernas. Com suavidade e decisão. E transparecia a sabedoria. Como se a cada
passo – uma revelação. Do estilo. Dos pensamentos. Das buscas. Dos encontros e
desencontros. Um pedacinho exposto da real história.

A
música ordenava os movimentos. Mas as mãos dos homens – nas costas das mulheres
– serviam de batuta. Marcavam o ritmo. Denunciavam o comando.  Tamborilando na pele as mil formas de ordenar.

Os
garçons cruzavam de um lado para o outro. Mas não sem uma regra. Que é talvez
muito mais que uma Lei. Só o faziam quando o salão esvaziava. Nada era oferecido
enquanto a música da dança tocava. E os pares – dela apenas se serviam.

De
tempos em tempos – a música era substituída. Por um tipo de jingle codificado. As
pessoas voltavam para as cadeiras. E as bebidas ficavam – por poucos minutos –
responsáveis pelo prazer ordenado. O salão expunha a solidão. E a tela se fazia
branca.

Permaneci
sentada ali. Ao lado dele. Olhando as danças. Os rituais. As sacolinhas. A troca
de sapatos. Os pés e as mãos obedecendo e comandando. Talvez nem sempre na
proporção desejada. Mas num ritmo compartilhado.

Entendi.
Talvez não a dança. Nem a completude dos
pares. Muito menos os comandos corretos.

Diante da tela que se dispunha a
solidarizar com o imenso espaço vertical – entendi uma parte da Vida.

Saímos
de lá mais leves do que chegamos.


Advertisements
  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: