Viajando a Cores

Quase
não acreditei.

Abri
a porta do quarto. E fui em direção às escadas. Assim. Com a sequência reconhecida.
No habitual da rotina. O ato em si. Mas desta vez fugia ao destino. Desta vez
um rumo novo. Uma direção escolhida. Uma data festiva a ser comemorada. E tinha
hora certa para dar inicio. A hora da partida sendo a mesma do inicio. Perfeito.

Lembrei
logo da minha avó. Ela afirmava com propriedade. Entre o que começa e o que termina
não tem sequer uma linha, menina, entre o que começa e o que termina não tem sequer
uma linha.

Foi
pensando nisso que sai do quarto. Entre a alegria da novidade. E o pensamento
já antigo.

Primeiro
o susto.

Estava
tudo branco. Não via a paisagem. Só a cor branca se fazia plena. Muitos pensamentos
se enfileiraram. Talvez em auxilio. Lembrei do Ensaio. Lembrei do Disco. Fiquei
tentando adivinhar as cores. Compreender o excesso. Parada. Antes mesmo de
descer as escadas tudo já havia ocorrido. Não faltaram ideias. Ou recordações. E
tudo diante do branco de uma paisagem ocultada. Enfim.

Depois
a decisão.

Desci
as escadas. Do lado de dentro – sala estava envolta no branco. Do terraço não se
via nem o gradil. Como se houvesse nada além da imensidão branca. Ocupando todo
o espaço. Apagando obstáculos. Limites. Acessos. Coerente com o
incompreensível.

Mas
lá me fui dar conta do planejado. Sem filosofias. Sem construções literárias. Tinha
que prosseguir em tempo. Pelo tempo. Dentro do tempo. Que o branco lá ficasse.

Pragmatismo
em ação. Tudo resolvido.

O
que sobrou em branco – sobrou em falta. Faltava teto. Esta a explicação lógica.
Sem teto – sem pouso. Sem pouso – sem decolagem. Simples assim. Podia-se olhar
o branco pelo tempo que agradasse. Mas do solo. Só isso. Enfim. Várias parcerias
se estabeleceram. E lá ficamos a aguardar que pelo menos uma delas se dissolvesse.
Para que o projeto continuasse dentro de uma possível execução.

Quando
o Disco iniciou sua decomposição – o azul foi se aproximando. Enfim.

Cores
e nuances iniciaram as suas tarefas. Com o mundo colorido – voltou-se ao propósito
inicial. Já não era sem tempo – disseram alguns. Olha o tempo que perdi –
comentaram outros. Agora não chegarei mais a tempo – falou alguém com tristeza
na voz. Alguns se olharam. Outros ficaram dentro dos seus pensamentos. Talvez nem
tão brancos como antes a paisagem. As expressões eram bem tensas. Talvez estivessem
no oposto do Disco. Vai lá saber as conseqüência de uma total brancura. E alheia
a qualquer avanço tecnológico. Uma brancura por si só.

Uma
cor – é uma cor. Apenas isso.

Quando
todos se acomodaram – os avisos começaram. Orientações sobre segurança. O que é
proibido. O que é permitido. O que é impossível de ser transgredido. Seguidos de
explicações. Situações independentes da nossa vontade. Assim explicavam. Como uma
valiosa informação prestada.

Sentados
e acalmados – houve uma sensação de tranqüilidade. Como se já afivelados – o tempo
voltasse ao controle. Cada um com sua solução. Ou sua dificuldade. Mas com
absoluta expectativa de aceitação.

Olhei
para o infinito. Para os muitos tons de azul até o rosa. Mas abaixo se via um branco
denso.

Optei
por escutar uma música. Coloquei os fones. Foi instantâneo. Uma outra viagem se
fez. Isolada da formal. Descompromissada com as técnicas. Ou com as
coincidências. Quase deu uma confusão mental.

Ri. Tocava uma marcha. Nupcial. Uma bela orquestração.
Belíssima. E no momento da subida do vôo. Assim. Como se uma regência de fora
se fizesse presente. Como uma necessidade.

Acordei
no branco. Sentei diante do azul. Em proximidade total com o Universo. Se assim
se pode dizer.  Um casamento realmente se
fazia. O plano da partida e a vontade da chegada. O azul e o branco. As nuvens
e o metálico do progresso. O plano e o ato. O gesto e o fato. O riso e a festa.

Não
sei se foi um recadinho. Uma desculpa. Um sinal. Isso não se sabe jamais. Não tem
provas. Nem documentos. E cabe a cada um fazer e desfazer os códigos. Muito
mais internos do que externos. E conforme se apresentam.

Conclui. Perfeito. Assim devem ser as comemorações. Olhei para ele. Apertei a
mão. Sorri.

Advertisements
  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: