“…do Luar da minha terra…”

Sim.
Adorava a Lua cheia. Estivesse onde estivesse – parava. Olhava para a Lua. Como
se a visse pela primeira vez. Como – talvez – deveria ter olhado a primeira
pessoa. Com o olhar curioso. E a expressão surpresa. Diante da beleza de uma Lua
cheia. Brilhante. Como um farol – na noite universal.

Sempre
pensava nas distâncias. Que outras pessoas estariam olhando. Em que outros lugares.
Comentando com outros idiomas. Com outros sotaques. Que contornos estariam
sendo destacados. De flores em um jardim. De barcos em algum mar distante. De alguma
casa simples num lugar deserto. Em algum pinheiral envolto em neve. Ou um
simples terraço de um prédio. Urbano. Como estava ela ali. A Lua com qualidades
altruístas. Dava-se. Expunha-se. Só isso.  

A
cada Lua cheia – se sentia presenteada. Pela natureza. Pelo Universo. Até pela Vida em si. Não importava.
Funcionava sempre como um momento de paz. Total. Absoluta.

E
foi assim.

Estava
descendo a escada. Viu que os degraus estavam claros. Uma luz vinha de cima. Olhou
para cima. Despretensiosa. Até desatenta. Olhou como se olha. Sem preocupação de
enxergar. Virou a cabeça. Ficou surpresa. Fez até aquela voz que as crianças
fazem. Um sustinho de alegria. Viu a Lua. Redonda. Linda. Pura luz. Atravessando
o vidro do teto da escada. Subiu de volta. Já atenta e cheia de pretensão. Foi para
o terraço aberto.

Deitou
em uma cadeira. Ficou ali. Imóvel. Olhando. Como se diante de um espetáculo. Como
se diante de um aviso. Silêncio. Onde qualquer movimento poderia prejudicar o
efeito. Mais ou menos assim. Lembrou de tantos lugares onde já tinha parado-
para olhar a Lua. As lembranças vieram felizes.

Lembrou
da primeira vez que foi lá. A cidade eterna. Subiu numa colina. Encostou-se na
estátua da mulher heroína e ficou lá. A Lua cheia contornava a figura de pedra.
A altivez da escultura parecia se submeter. A todo aquele brilho. Pensou. Nunca
quero esquecer este momento. Ordem dada. Ordem obedecida. Nunca esqueceu.

E
já se iam tantos anos. Na época ainda era muito mais crédula do que
observadora. Hoje era o contrário. Era muito mais observadora do que crédula. Mais
ainda olhava a Lua com olhos de infância. Quando tudo é simples e possível. Onde
a beleza é apenas beleza. Sem questões de estética. Sem filosofias sobre a existência.

Lembrou
também de quando estava lá ainda. Na cidade de onde viera. Lembrou do risquinho
delicado da luz da lua no mar. De longe – lá do horizonte – até a espuminha da
água na praia. Até a areia ficava mais clara. Branquinha. E quando criança saia
em noites assim para catar as conchinhas. Conchas da noite são mais belas que
as conchas do dia. Assim explicava. Vai lá saber por que.

E
foi um tal de lembrar de Lua – e de luar –  que não acabava mais.

Lembrou
até dos índios e a sua conta de nascimento. Quantas luas.

Lembrou
dos contos assustadores. Sempre partindo das ideias dos adultos. Como
se temessem. A luz de cima em meio à noite. Como se esta luz permitisse – expor o que não
podia ou não devia. A luz da Lua contornando também as maldades. Nunca havia
pensado nisso. Só ali. Naquele instante.

O
céu estava claro. Muito claro. Muitas estrelinhas. Desconsideravam a tal urbanidade. Não competiam com a luz dos prédios.

Um ou outro avião cruzava entre elas. Ficou imaginando
se as pessoas dentro olhavam e sorriam emocionadas. Diante de tão perto da Lua.

Riu
quando lembrou a amiga de além mar.

Uma
noite ela falou via a comunicação habitual. Por letras e barulhinhos no
teclado. Estou daqui olhando a Lua. Vai lá você também. Olha para ela. E assim –
é como se estivéssemos nos olhando. Riu. Há sempre um modo de se diminuir
distâncias. E minimizar saudades.

Olhou
mais uma vez para o céu. Sentiu o luar em volta dela. Brincou de sombras com o brilho
por sobre as pedras do terraço.

Levantou.
Encostou-se na muradinha com o gradil de ferro. Era esta uma noite de inverno.Sentiu um friozinho na pele. Quase um arrepio. Antes de entrar jogou – com um sorriso – um beijo para a
Lua.

Também
não iria mais esquecer esta noite de luar no terraço. Ordem dada.

Advertisements
    • peter
    • July 9th, 2009

    você é mesmo poeta , Lê…. ciao

    • Mara
    • July 12th, 2009

    É muito agradável ler a descrição de um momento tão gostoso como é curtir o luar independente do lugar(NY), é como observar por outro prisma.

  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: