Vermelho no Branco

Chegou
com aquele jeitinho dela. Tranqüilo. Poderia até se dizer – sorrateira. Era sempre
assim. Caminhava como se deslizasse. Nada fazia com rapidez. Ou esbarrões. Dava
conta do assumido. Mas sempre do jeito mais suave. Era assim o estilo dela. E
sempre bem humorada. Agradável. Decidida.

Não
havia dia que atrasasse. Jamais. Nem na entrada nem na saída. Era a
pontualidade e seus efeitos obsessivos. Detestava mudança na rotina. Até obedecia
– mas reclamava. Resmungava. Falava do mesmo jeito que caminhava – como se em respeito
a um especial  silêncio.

Se
lhe era solicitada uma solução – encontrava. Se lhe era encaminhada uma tarefa –
cumpria. E tudo sem comentários. Sem questionamentos. Era para fazer – fazia. Simples
assim. Mas sempre dentro da própria metodologia. Disso não abria mão. Nem ninguém
a convencia. De qualquer contrário.

Primeiro
escutei o pisar leve nos degraus da escada. Em geral não subia se me visse
ocupada. Ou concentrada. Deveria ter um nobre motivo. Dentro da qualificação
que ela mesma estabelecia. Depois vi que trazia um envelope nas mãos. E
segurava com muita delicadeza.

Interrompi
o que fazia e me virei de frente para ela.

Entregou-me
o envelope. Amassadinho. Foi avisando. Estava no depósito. Deve ter sido na
mudança. Ficou por lá. Hoje mexendo em busca de alguns documentos solicitados –
as encontrei. Acho conveniente comprar mais porta-retratos.

Eram
as fotos.

Não
sabia que estavam lá. Havia procurado muito. Por muito tempo. Agora estava ela
a me entregar. Num envelope meio amarrotadinho. Mas envolto num saco plástico. Como
embalagem sem data de validade.

A
mesa estava tão bonita. A toalha de renda branca sofisticava a arrumação de talheres
e pratos. O arranjo de rosas vermelhas expunha a emoção forte da decisão. As taças estavam dispostas na mesa quase em fileira dupla. Próximas à
borda da mesa. As cadeiras estavam afastadas para possibilitar uma melhor
circulação. Até ri. Nem lembrava que tinha feito esta organização.

Elas
estavam sentadinhas juntas. Talvez um pouco tímidas – pela posição que
colocavam as mãos.

Eles
estavam lindos. Lindos. Lembro que chegaram mais cedo. Queriam prestigiar com
toda a solenidade necessária. Consideravam importante – para eles – se era importante
para mim. Sempre solidários.

Ele
estava de branco. Deixara a barba espessa – crescer. Eu estava de branco. Deixara
os cabelos longos – soltos. Ri de novo. Também não lembrava que tinha
fotografado os pés. A sandália vermelha dava seu toque mundano. Mas – sem dúvida
– elegante.

Ela
olhou. Uma por uma. Fez algumas observações sobre quem me ajudara. Depois desceu.
Com o pisar suave de sempre. De volta para suas tarefas. Não podia se atrasar. Concordei. 

Fiquei
sentada ali – sozinha. Com as fotos nas mãos. E com um sorriso invasor que
denunciava as boas lembranças. Assim. Entre o presente e o não presente. Passando
e Repassando. Como se num ato de efeito atualizante.

Muitas
das pessoas – das fotos – não via mais. Saíram do registro do cotidiano. Trocaram
de rumo. Ou de atalho. Ou criaram novos caminhos. Não devem ter marcado o chão.
Nunca mais voltaram.  

Os
objetos permaneceram. A mesa. A toalha de renda. As taças. A sandália. Acho que
a vi dia desses numa arrumação – por busca e apreensão. Quase ri. Pensando bem.
Não só os objetos ficaram. Os risos ficaram. Os mesmos risos. A mesma alegria. A
constante celebração por nos mantermos sempre unidos. Ligados.

No
tempo das fotos – nem adivinhávamos que eles iriam casar. Que ela viria se
integrar. Que mudaríamos para cá. O tempo fez suas gracinhas espaciais e
afetuosas. Mas preservou tudo de melhor. Houve sustos. Choro. Tensões. Até abalos
de saúde. Mas todas as etapas bem vencidas.

Na
minha frente tinha um calendário. Estava circulada a data – dia dez. O dia da
festa das fotos. Quase nove anos. E era hoje – dia dez. Ele já me acordara – cedo –  com um beijo de comemoração.

Desta
vez ri. Podia-se até estar amarrotadinhos – mais do que há quase nove anos. Ele
tirou a barba. Cortei os cabelos. Mas algo se mantivera bem conservado – como se
no tal saco plástico. Os afetos verdadeiros continuaram intactos.

Acariciei as fotos. Telefonei para ele. E para
eles. Hoje as taças vão sair dos seus cantinhos no armário. Quem sabe – até a
sandália vermelha.

Advertisements
    • Anonymous
    • June 29th, 2009

    Ólá, passei para agradecer tua visita ao meu blog e me deparo com um texto desses!Maravilhoso "os verdadeiros afetos continuam intactos" e é assim,os verdadeiros permanecem sempre.Obrigada e Parabéns.

  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: